Prédio Palácio Rio Negro

Endereço

Avenida Koeler, 255 Visualizar no mapa

Centro

CEP: 25688-900

Rede/Holding: IBRAM

Contatos

Telefone: (24) 2246-2423

Fax: (24) 2246-2378

E-mail: palacionegro@museudarepublica.org.br Entrar em contato

Seu Nome:

Seu Email:

cancelar    

Imóvel de importância histórica:
sim
Protegido por lei de tombamento:
federal
Instituição responsável pelo tombamento:
IPHAN
Localização:
em propriedade pública
Pontos de referência:
Localizado em frente à Prefeitura, entre a casa de Santos Dumont e a Catedral.
Localidade mais próxima:
Centro.
Distância até a localidade:
1,1 km
Distância do Centro (Ponto zero) do município:
1,1 km
Período histórico:
republicano
Estilo Arquitetônico:
arquitetura eclética
Arquitetura civil:
palácio
A edificação possui:
lustres, mobiliário
Utilização original do atrativo:
Residência do Barão do Rio Negro.
Utilização atual do atrativo:
Complexo composto pela Administração do IPHAN e o Museu da FEB.
Nome da principal via de acesso:
Avenida Koeler.
Tempo necessário para chegar ao atrativo partindo da localidade mais próxima (em minutos):
10 min
Descrição do acesso:
plano
Tipo de transporte:
ônibus regular
Outras informações:
Empresa:
Viação Esperança
Telefone: (24) 2292-9700, Site: http://www.vesp.com.br, E-mail: viacaoesperanca@ig.com.br
Empresa:
Viação Cascatinha
Telefone: (24) 2237-0599, Site: http://www.cascatinhatransportes.com.br, E-mail: adm@cascatinhatransportes.com.br
Empresa:
Autobus
Telefone: (24) 2236-2784, E-mail: autpet@ig.com.br
Período de funcionamento:
o ano inteiro
Horário:
Abertura:
5ª. feira 6ª. feira sábado
10h 10h 10h
Encerramento:
5ª. feira 6ª. feira sábado
17h 17h 17h
Horário especial:
agendamento de horário
Visita:
autoguiada livre, duração média (em minutos): 30
Informações ao visitante:
Idiomas:
português
Guia de turismo / monitor:
gratuito
Idiomas:
português, inglês
Informações históricas e culturais:
português, inglês
Entrada:
gratuita
Há guia de visitação impresso disponível ao visitante:
sim
Necessidade de autorização prévia de acesso ao atrativo:
sim
Regulamentos para visitação:
permitido fotos e filmes, proibido entrar com alimentos, proibido bicicleta, proibida a entrada de animais, proibido jogos e esportes
hospedagem, instalações sanitárias, estacionamento de ônibus
atividades culturais, atividades pedagógicas
DESCRIÇÃO DO ATRATIVO:
Em 1889, menos de três meses antes da Proclamação da República, o senhor Manoel Gomes de Carvalho, Barão do Rio Negro, comprou dos herdeiros da família Klippel o terreno onde seria erguido o seu palácio de verão. Em fevereiro de 1896, o Palácio e a casa ao lado, pertencentes a um dos filhos do Barão, foram vendidos ao Estado do Rio de Janeiro para servir de residência oficial do governante. Em 1903, o Palácio foi incorporado ao Governo Federal e passou a ser residência oficial de verão dos presidentes da República. Desde então, por ali passaram Rodrigues Alves, Afonso Pena, Nilo Peçanha, Hermes da Fonseca, Wenceslau Brás, Epitácio Pessoa, Artur Bernardes, Washington Luiz, Getúlio Vargas, Gaspar Dutra, Café Filho, Juscelino Kubitschek, João Goulart e Costa e Silva. No verão de 1996/1997, quando o Palácio estava completando 100 anos na função de residência oficial do governo, a tradição foi reinventada. Através de um gesto ritual, a presidência da República voltou a se instalar no Palácio Rio Negro.

Foi no entanto, no Governo de Hermes da Fonseca, que o Palácio viveu talvez o seu momento mais brilhante, com a realização do casamento do Marechal Hermes com Nair de Teffé, então célebre não só por sua beleza como por sua inteligência, pois notabilizou-se por suas mordazes charges, que publicava na imprensa sob o pseudônimo de Rian.

O seu mais assíduo freqüentador foi o Presidente Getúlio Vargas, que nos 18 anos que esteve à frente do País, não deixou de passar um só verão em Petrópolis.

No governo de Ernesto Geisel, o palácio fica sob a guarda do Exército só voltando a hospedar a Presidência no verão de 1996 quando o Palácio estava completando 100 anos na função de residência oficial de Governo.

Observações complementares:
Os jardins estão abertos para visitação aos sábados, domingos e feriados.

Visitação de grupos somente com agendamento de horário.
As informações foram fornecidas pelos prestadores de serviços, e esses são responsáveis pela sua exatidão. Esclareça diretamente todas as suas dúvidas antes de planejar a sua viagem.